quinta-feira, 25 de abril de 2002

DISCURSO 25 ABRIL (2002)

DISCURSO 25 ABRIL (2002)


Senhor Presidente da Assembleia Municipal, membros da Assembleia Municipal, representantes das instituições convidadas, minhas senhoras e meus senhores

O Bloco de Esquerda de Almodôvar não podia deixar de se associar às comemorações do Dia da Liberdade, aceitando o convite que tão amavelmente lhe foi dirigido.

Esta iniciativa assume uma importância extremamente grande quando, passados que são 28 anos sobre esta data histórica, forças de direita se movimentam no sentido de eliminar os feriados relativos ao 25 de Abril e 1º de Maio. Apagar estas bandeiras significa fazer cair no esquecimento a luta de um povo pela liberdade e a luta dos trabalhadores por melhores condições de vida. Provavelmente, a seguir pedir-se-á o retorno da censura prévia, depois o fim da liberdade de expressão e de associação. Mais tarde, a extinção dos partidos políticos...


Falar do 25 de Abril em 2002 pressupõe uma análise séria do que se ganhou com a revolução e não só exaltar os militares e todos aqueles que deram a sua vida e a sua saúde no combate contra o regime autoritário de direita que reinou em Portugal mais de 4 décadas. É bom que não se esqueçam esse combatentes e daqui os saudamos.

O exercício da liberdade que tão custosamente conquistámos implica responsabilidade. Responsabilidade que parece estar arredada da res publica. Nestes 28 anos assistimos aos maiores atropelos da legalidade da parte daqueles que maiores exemplos dela deveriam dar: deputados da Assembleia da República que viajaram ficticiamente e que ficaram impunes por prescrição dos processos; ministros envolvidos em escândalos como foi o caso da importação de plasma infectado com o HIV e que ficaram impunes; governos que tentam esconder a sua má gestão ou a sua inoperância com o estafado argumento de que os anteriores é que geriram mal.

Com 28 anos a Democracia não é já propriamente uma criança. É mais do que altura de passar das promessas vãs aos actos. É necessário e urgente que a sociedade exija que o seu património cultural e económico seja gerido de uma forma transparente e que se assaquem responsabilidades criminais àqueles que, ou por ignorância ou por má fé, delapidam o que é de todos nós.

As cidadãs e os cidadãos eleitos para os vários órgãos do estado, da Presidência da República à Assembleia de Freguesia, são representantes do povo que os elegeu e dele devem fazer eco nas instâncias em que têm assento. Infelizmente sabemos que isso não corresponde à realidade, fazendo do lugar que ocupam um púlpito para afirmação pessoal ou para guerrilhas de ocasião que em nada contribuem para o progresso do nosso país, da nossa região ou do nosso concelho.

O Bloco de Esquerda de Almodôvar propôs a esta Assembleia que se altere o seu regimento no sentido de que o público eleitor possa usar da palavra antes da Ordem do Dia e não no final da sessão como está consagrado. Em nome do 25 de Abril e de tudo o que lhe está associado apelamos para que todos os membros desta Assembleia tenham a coragem de perfilhar esta nossa proposta, tornando este órgão mais vivo e mais próximo daqueles que representa. Lutemos todos pela dignificação da Assembleia Municipal, exijamos legislação adequada no sentido de aumentar o seu carácter interventivo e fiscalizador e está nas nossas mãos mostrar que sabemos trabalhar unidos em prol do desenvolvimento do nosso concelho, trabalhando em conjunto no sentido de solucionar com celeridade as muitas carências que por todo o lado se fazem sentir.
Apesar de não ter assento na Assembleia Municipal, o Bloco de Esquerda continuará a seguir atentamente as propostas e realizações do executivo camarário e os trabalhos desta Assembleia e estará sempre disponível para colaborar no sentido do progresso do nosso concelho quando para tal solicitado e lhe sejam fornecidos os elementos necessários para, com tempo, apresentar propostas realistas.

Viva o 25 de Abril

Viva Almodôvar


Viva Portugal